O forçamento por onde o psicanalista pode fazer ressoar outra coisa

  • Ana Laura Prates Pacheco
Palavras-chave: Psicanálise, interpretação, escrita, poética

Resumo

A proposta deste trabalho é a de articular as consequências dos avanços elaborados por Lacan em seu último ensino, para a experiência psicanalítica. Se a correspondência entre a linguagem e o real é da ordem do impossível, se a transmissão integral é impossível, a pergunta que não se cala é qual a resposta ética do psicanalista quando o destino da mensagem passa a ser o ab-sens da relação sexual humana, relação essa que não é natural, mas “tomada pelas palavras”? Essa é a questão clénica e ética essencial: a psicanálise não visa tanto à verdade por trás do que isso quer dizer, mas antes, o fato de “que se diga”. Para além do sentido, o psicanalista faz ressoar outra coisa – afirma Lacan em 1977. Para tanto, é preciso o que ele chama de “forçamento”, que remete ao ato analítico como resposta, sem o qual a psicanálise pode vir a capengar irredutivelmente a um “autismo a dois” (LACAN, 1977). É preciso, assim borrar a diferença entre a verdade e a ficção já que “o que o analisante diz, esperando verificar-se, não é a verdade, é a vari(e)dade do sinthoma”. Mas atenção: essa despretensão da verdade não justifica em absoluto um relativismo da desconstrução, já que as “verdades mentirosas” apontam todas para o real de que o gozo é a castração. Eis a ousadia clénica e ética que a psicanálise oferece: a aposta no bem dizer como resposta do psicanalista diante do impossível de dizer tudo é o que se espera de uma clínica que inclua passe. Lá, onde não há Outro que responda, nem sujeito que corresponda. Lá, onde não há carteiro da verdade há, entretanto algo que a letra/carta carrega: o valor sonoro da função poética, que toca o real, para além do valor semântico da verdade – e que faz ressoar no corpo (encore). Eis as questões que pretendo abordar neste trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Laura Prates Pacheco

Psicóloga. Doutora em Psicologia Cl.nica pela USP. Pós-Doutorado em Psicanálise na UERJ. Psicanalista. Membro da EPFCL – Brasil e do FCL – SP. AME da EPFCL Coordenadora da rede de pesquisa de psicanálise e Infância. Autora de “Feminilidade e experiência psicanalítica” ( 2001) e de “Da fantasia de infância ao infantil na fantasia” (2012).

Referências

BESNIER, B. A distinção entre práxis e poiésis em Aristóteles. Analytica. Vol. 1,
n. 3, 1996.
FISCHER, S. História da escrita. São Paulo: Unesp, 2009.
JAKOBSON, R. (1960). Linguística e poética. In: Linguística e comunicação. São
Paulo: Editora Cultrix, 1969, 118p.
KIBERD, D. Introdução (1922). In: Ulysses. São Paulo: Penguin Companhia, 2012.
LACAN, J. (1953). Função e campo da fala e da linguagem. In: LACAN, J. Escritos.
Trad. de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998, pp. 238-324.
__________. (1957). A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud.
In: LACAN, J. Escritos. Trad. de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.,
1998, pp. 496-536.
__________. (1959-60). O Seminário, livro 7: a ética. Rio de Janeiro: Jorge Zahar
Ed., 1988.
__________. (1961-62). O Seminário, livro 9: a identificação. Inédito.
__________. (1962-63). O Seminário, livro 10: a angústia. Rio de Janeiro: Jorge
Zahar Ed., 2005.
__________. (1972-73). O Seminário, livro 20: mais ainda. Trad. de M. D. Magno.
Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1992. 209p.
__________. (1973). O Aturdito. In: LACAN, J. Outros escritos. Trad. de Vera
Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003, pp. 448-497.
__________. (1975-76). O Seminário, livro 23: o sinthoma. Trad. de Sérgio Laia.
Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007, 249p.
__________. (1976-77). O Seminário, livro 24: l’insu que sait de l’une bévue s’aile
à mourre. Inédito.
__________. (1977-78). O Seminário, livro 25: momento de concluir. Inédito.
PACHECO, A. L. P. A lógica da interpretação. Stylus. Rio de Janeiro: Associação
Fóruns do Campo Lacaniano, n. 25, pp. 43-51, 2012.
RYUKO, O A arte da escrita chinesa e suas implicações pictóricas e poéticas. In:
Blog Dragon’s Quest, maio de 2007. Disponível em:
, acesso
em 22 de julho de 2013.
Publicado
2013-10-11
Como Citar
Pacheco, A. L. P. (2013). O forçamento por onde o psicanalista pode fazer ressoar outra coisa. Revista De Psicanálise Stylus, (27), pp. 13-21. https://doi.org/10.31683/stylus.vi27.734