Para sempre é sempre por um triz

  • Ana Laura Prates Pacheco
Palavras-chave: Amor, nó borromeano, RSI, Lacan

Resumo

No Seminário 21, Les non-dupes errent  (1973-74), Lacan escreve que “o nodal é o modal”, articulando o nó borromeano aos modos de gozo que já havia localizado nas fórmulas da sexuação, no ano anterior. Ele propõe que há dois tipos de nó, estruturalmente distintos: o nó olímpico e o nó borromeano. O nó olímpico é ordinal, pois uma das esferas — a do meio — tem prevalência sobre as outras duas. Esse tipo de nó é aquele que tenta escrever a relação sexual. Dependendo do registro que ocupará a função prevalente — o Simbólico, o Imaginário ou o Real —, teremos uma tipologia de modos de amor que tentam escrever a relação: o amor a Deus, o amor cortês ou o amor masoquista. Curiosamente, garantir o impossível, como faz o amor cortês, é tanta impostura quanto garantir o possível, ou pior, torná-lo necessário. Pois bem, ao contrário do nó olímpico, o nó bô é cardinal — não há ordem, nem prevalência de nenhum dos registros sobre o outro. É essa a característica que permite a Lacan escrever “não há relação sexual” a partir desse nó. Pois como afirma Lacan, o 3 é Real, pois o 1 não atinge o 2. O 2 é ímpar! Belo modo de dizer que relação sexual não há.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Laura Prates Pacheco

Psicóloga, Psicanalista. Especialista, Mestre e Doutora em Psicologia Clínica pelo IPUSP. Pós-doutora em Psicanálise pela UERJ. Pesquisadora convidada do LABEURB/UNICAMP. AME da EPFCL, Membro do FCL-SP/EPFCL-Brasil. Coordenadora da Rede de Pesquisa de Psicanálise e Infância da EPFCL-Brasil. Autora de Feminilidade e experiência psicanalítica (2001) e Da fantasia de infância ao infantil na fantasia (2013) e La letra de la carta al nudo (2015).

Referências

BADIOU, A. Elogio ao amor. Tradução Dorothée de Bruchard. São Paulo. Martins
Fontes, 2013.
BUARQUE, C. & LOBO, E. “Beatriz” In: O grande circo místico. 1983.
GRUPO CORPO. Triz..
HUGON, R. P. Études Sociales et Psychologiques, Ascétiques et Mystiques, 3ª ed.,
Paris,1924. Revista Permanência, 275. node/1178>.
HUIZINGA, J. O declínio da Idade Média. Trad. Augusto Abelaira. Ed. Ulisseia,
1924.
SOLER, Colette. O que Lacan dizia das mulheres. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.
LACAN, J. (1959-60). O Seminário, livro 7: A ética da psicanálise. Trad. Antonio
Quinet. Rio de Janeiro, Zahar, 1988.
LACAN, J. (1972-73). O Seminário, livro 20: Mais ainda. Trad. M.D. Magdo. Rio
de Janeiro, Zahar, 1982.
LACAN, J. (1973-74). Le Séminaire, livre 21: Les non-dupes errent. Versão não
publicada oficialmente.
LE BRUN, J. El amor puro de Platón a Lacan. Trad. Silvio Mattoni, Buenos Aires,
Ed. Cuenco de plata-Literales, 2004.
Publicado
2015-06-16
Como Citar
Pacheco, A. L. P. (2015). Para sempre é sempre por um triz. Revista De Psicanálise Stylus, (30), pp. 31-41. https://doi.org/10.31683/stylus.vi30.680
Seção
ENSAIO