Vozes a partir do inaudível: Verificação, auditoria e passagem pela Escola¹

  • Matías Buttini
Palavras-chave: A voz, auditor, escola

Resumo

Que necessidade temos de nos reunir de vez em quando para falar sobre psicanálise? Que desejo nos impele a fazer Escola, a fazer passar, por ela, nossa voz? Que tipo de laços nos mantêm unidos? Nossa Escola de psicanálise conta com seus próprios métodos de verifi cação dos resultados de sua prática. Que diferenças nos vemos levados a estabelecer no que se refere a outros discursos? Lacan propôs à Escola, em seu conjunto, que tome a seu encargo o trabalho de dissipar essa “sombra espessa” que inunda a passagem de analisante a analista. A fi gura do auditor nos ajudará nessa tarefa, evitando cair em uma obediência burocráticocientífi ca sustentada nos números e, por isso, isenta de toda crítica. Retomemos questões essenciais como o desejo, a verifi cação e a auditoria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matías Buttini

Formado em Psicologia pela Universidade de Buenos Aires, trabalha atualmente como psicanalista, foi e ainda é professor e pesquisador na UBA nas disciplinas de Psicopatologia e Clínica de Adultos. Nesta última, é Coordenador da área de Práticas Hospitalares. Membro do FARP (Fórum Analítico do Rio da Prata) e da EPFCL (Escola de Psicanálise dos Fóruns do Campo Lacaniano). Coordenador Geral de Psicologia e Abrigos de Saúde Mental na Instituição Terapêutica Témpora. Há muitos anos dedica parte de seu tempo a escrever. Publicou artigos sobre psicanálise, literatura e cinema e um livro de contos – Nadie soporta uma vida encantadora (Letra Viva, 2012).

Referências

HACKING, I. (1991). La domesticación del Azar. Barcelona: Ed. Gedisa, 2009.
JAEGLÉ, C. (2010). Retrato silencioso de Jacques Lacan. Buenos Aires: Ed.
Nueva Visión, 2011.
LACAN, J. (1955-56). O seminário, livro 3: As psicoses. Rio de Janeiro: Jorge
Zahar Ed.
_________. (1964-65). O seminário, livro 12: Problemas cruciais para a psicanálise,
inédito.
_________. (1967-68). O seminário O ato psicanalítico, inédito.
_________. (1969-70). O seminário, livro 17: O avesso da psicanálise. Rio de
Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1992.
LEVI, P. Los hundidos y los salvados. Barcelona: Ed. Océano, 1986.
LOMBARDI, G. “Hacia un dispositivo del pase efectivamente practicable: de los
criterios ideales a la autorización real de los psicoanalistas”. In: Wunsch, n. 8,
pp. 33-38, mar. 2010.
MANGUEL, A. Una historia de la lectura. Buenos Aires: Ed. Emecé, 2005.
MONSENY, J. “El pase, punto de referencia del analizante”. Revista Wunsch, IFEPFCL,
n. 7, 2007.
QUIGNARD, P. (1966). El odio a la música. Buenos Aires: Ed. El Cuenco de Plata, 2012.
ROUDINESCO, E. Lacan, frente y contra todo. Buenos Aires: Ed. Fondo de Cultura
Económica, 2012.
REIK, T. (1948). Listening with the Third Ear. New York: Farrar Straus & Giroux, 1983.
_________. (1964). Voices from the inaudible: the patients speak. London: Farrar,
Straus and Company, 1964.
Publicado
2016-06-23
Como Citar
Buttini, M. (2016). Vozes a partir do inaudível: Verificação, auditoria e passagem pela Escola¹. Revista De Psicanálise Stylus, (32), pp. 225-237. https://doi.org/10.31683/stylus.vi32.640