O nome: Um direito ou um dever?

  • Isalena Santos Carvalho
  • Daniela Scheinkman Chatelard
Palavras-chave: Nome, direito, dever, Psicanálise

Resumo

O nome não é uma propriedade, porque não é permitida sua venda, troca, empréstimo etc. Se não é um bem como outro qualquer, pela obrigatoriedade legal de se ter um nome, há algo no nome que já no campo jurídico revela como a noção de direito não pode ser dissociada da noção de dever. É com base nisso que este artigo discute a pergunta: Nome: um direito ou um dever? Para tanto, aborda como ocorre o processo de nomeação no Brasil. Discute, com base em considerações de Lacan sobre a travessia edipiana e o nome próprio, como o nome é uma marca que requer uma resposta. Um nome é dado à criança ao nascer pela aposta de que há ali um sujeito. Seu nome é enlaçado por cordinhas do simbólico, o que confere à criança um lugar na cadeia geracional de sua família e na cadeia dos significantes. Como ser falante, ao responder quando chamada, a criança evidenciará como se posicionou nesse lugar. Ao se constituir como sujeito desejante, a criança poderá mostrar seu desejo de Outra coisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isalena Santos Carvalho

Membro da Escola de Psicanálise do Maranhão. Doutorado em Psicologia Clínica e Cultura pela UnB, docente adjunto IV da pós-graduação em Psicologia da UFMA.

Daniela Scheinkman Chatelard

Doutorado em Filosofia pela Université de Paris VIII, docente associada do Programa da Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura da UnB.

Referências

AMORIM, J.; AMORIM, V. Direito ao nome da pessoa física. Rio de Janeiro:
Campus, 2010.
BRASIL. Ministério da Justiça. Código civil brasileiro. Lei no 10.406, de 10 de janeiro
de 2002. Disponível em L10406.htm>. Acesso em 3 jan. 2016.
DINIZ, M. Código Civil anotado. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2002.
FREUD, S. (1913). “Totem e Tabu” In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas
Completas de Sigmund Freud, v. 13. Rio de Janeiro: Imago, 2006, pp.
13-162).
_________. (1914). “Sobre o narcisismo: uma introdução”. In: Edição Standard
Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, v. 14. Rio de
Janeiro: Imago, 2006, pp. 77-108.
GONÇALVES, C. Direito Civil Brasileiro, volume 1: parte geral. São Paulo: Saraiva,
2015.
LACAN, J. (1953). “Função e campo da fala e da linguagem em psicanálise”. In:
Escritos. Rio de Janeiro: Zahar, 1998. pp. 238-324.
_________. (1957-58). O seminário, livro 5: As formações do inconsciente. Rio de
Janeiro: Zahar, 1999.
_________. (1960). “Subversão do sujeito e dialética do desejo”. In: Escritos. Rio de
Janeiro: Zahar, 1998. pp. 807-842.
_________. (1961-62). O seminário, livro 9: A identificação. Recife: Centro de Estudos
Freudianos do Recife, 2014. (Versão brasileira fora do comércio).
_________. (1964). “Posição do inconsciente”. In: Escritos. Rio de Janeiro: Zahar,
1998. pp. 843-864.
_________. (1964). O seminário, livro 11: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise.
Rio de Janeiro: Zahar, 2008.
Publicado
2016-06-23
Como Citar
Carvalho, I. S., & Chatelard, D. S. (2016). O nome: Um direito ou um dever?. Revista De Psicanálise Stylus, (32), pp. 139-149. https://doi.org/10.31683/stylus.vi32.628

Most read articles by the same author(s)