Perversão ou “posição perversa”? Caminhos para a construção de uma hipótese diagnóstica

  • Maria Claudia Formigoni
Palavras-chave: Perversão, fetiche, caso clínico, criança, diagnóstico estrutural, Verneinung

Resumo

O presente trabalho evidencia tanto a construção de um diagnóstico estrutural quanto de um caso clínico. A partir das concepções de neurose, perversão, fetiche, negação e estratégia de gozo, pretende-se, por meio da apresentação de fragmentos do atendimento de uma criança, construir uma hipótese diagnóstica. Seria um caso de perversão ou de uma “posição perversa” manifestada em um estrutura neurótica?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Claudia Formigoni

Psicóloga. Psicanalista, membro do Fórum do Campo Lacaniano – SP. Mestre em Psicologia Social pela PUC-SP. Especialista em psicologia hospitalar pelo HCFMUSP.

Referências

FREUD, S. (1905) “Três ensaios sobre a teoria da sexualidade”. In: Edição standard
brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, Tradução sob a
direção de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 2006, vol. VII, pp.117-231.
_________. (1925) “A negativa”. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas
completas de Sigmund Freud, Tradução sob a direção de Jayme Salomão. Rio
de Janeiro: Imago, 2006, vol. XIX, p. 264-269.
_________. (1927) “Fetichismo”. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas
completas de Sigmund Freud, Tradução sob a direção de Jayme Salomão.
Rio de Janeiro: Imago, 2006, vol. XXI, pp. 150-160.
IUALE, L; LUTEREAU, L; THOMPSON, S. Posiciones perversas en la infancia.
Buenos Aires: Letra Viva, 2012.
LACAN, J. (1953-54) O seminário, livro 1: Os escritos técnicos de Freud. Versão
brasileira de Betty Milan. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1986.
_________. (1956-57) O seminário, livro 4: A relação de objeto. Versão brasileira de
Dulce Duque Estrada e Angelina Harari. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor,
1995.
_________. (1962-63) O seminário, livro 10: A angústia. Versão brasileira de Angelina
Harari. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005.
_________. (1963) “Kant com Sade”. In: Escritos. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de
Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998, pp. 776-803.
_________. (1969) “Nota sobre a criança”. In: Outros Escritos. Rio de Janeiro: Jorge
Zahar Editor, 2003, pp. 369-370.
LAURENT, E. (1984) “El niño y su madre”. In: Hay un fin de análisis para los
niños. Buenos Aires, Colección Diva, 1999, pp. 13-21.
MARTINHO, M. H. Perversão: um fazer gozar. Tese (Doutorado em Psicologia) –
Programa de Pós-Graduação em Psicanálise, Universidade do Estado do Rio
de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.
PRATES PACHECO, A. L. Da fantasia de infância ao infantil na fantasia: a direção
do tratamento na psicanálise com crianças. São Paulo: Annablume, 2012.
PEUSNER, P. Fugir para adiante. O desejo do analista que não retrocede ante as
crianças. São Paulo: Agente Publicações, 2016.
SAURET, M. J. O infantil & a estrutura. São Paulo, Escola Brasileira de Psicanálise,
1997.
Publicado
2016-06-23
Como Citar
Formigoni, M. C. (2016). Perversão ou “posição perversa”? Caminhos para a construção de uma hipótese diagnóstica. Revista De Psicanálise Stylus, (32), pp. 123-135. https://doi.org/10.31683/stylus.vi32.627
Seção
ESTRUTURAS CLÍNICAS: LAÇOS E DESENLACES