Pânico e fobia: Enlace e desenlace da angústia Comunicação de uma pesquisa em curso

  • Dominique Fingermann
Palavras-chave: Pânico, fobia, angústia, DSM

Resumo

A angústia não é um termo que faz sucesso no discurso da ciência que domina nossa época, nem tampouco interessa aos valores do mercado que a determina. Mas, como sabemos por experiência, o que está recalcado retorna no real, ou o que sai pela porta da frente volta pela porta de trás. Então ansiedade, estresse, nervosismo, distúrbio de atenção, falta de ar, e, mais precisamente pânicos e fobias, entram de vento em popa tanto no discurso da ciência quanto no senso comum. O pânico e a fobia, que fi guram no capítulo das “anxiety disorder” do DSM, constam como referência comum do mal-estar das pessoas que procuram um analista, e foram precisamente descritas e formalizadas desde os primórdios da psicanálise. O pânico explora e encena uma dilatação temporal da angústia e sua localização no corpo, enquanto a fobia organiza a fuga, o deslocamento e a amarração em um significante privilegiado. O texto aproxima e distancia essas duas formas sintomáticas e suas maneiras distintas de enodar o fato existencial da angústia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dominique Fingermann

Psicanalista, AME da Escola de Psicanálise dos Fóruns do Campo Lacaniano –Brasil. Autora do livro Por causa do pior (Iluminuras, 2005), em coautoria com Mauro Mendes Dias, e organizadora do livro Os paradoxos da repetição (Annablume, 2014).

Referências

COSTA PEREIRA, M. E. (1999). Pânico e Desamparo. São Paulo: Ed. Escuta, 1999.
FREUD, S. (1894-95). “Sobre os fundamentos para destacar da neurastenia uma
síndrome específica denominada neurose de angústia” In: Edição standard
brasileira das obras psicológicas completas. Rio de Janeiro: Imago, s/d (versão
eletrônica).
_________. (1921). “Psicologia das massas e Análise do eu” In: Edição standard
brasileira das obras psicológicas completas. Rio de Janeiro: Imago, s/d (versão
eletrônica).
_________. (1926). “Inibição, sintoma e angústia” In: Edição standard brasileira
das obras psicológicas completas. Rio de Janeiro: Imago, s/d (versão eletrônica).
KIERKEGAARD, S. (1844). Le concept d’angoisse. Paris: Gallimard, 1935.
LACAN, J. (1956-57). O seminário, livro 4: A relação de objeto. Rio de Janeiro:
Jorge Zahar Ed., 1995.
LÉGER, Claude. “La panique attaque, l’anxiété se généralise” In: Revue nationale
des collèges cliniques 1 – L’angoisse. Paris: EPFCL-France, 2001.
_________. (1965-66). Le séminaire, livre 13 : L’objet de la psychanalyse, inédito.
_________. (1968-69). O seminário, livro 16: De um Outro ao outro. Rio de Janeiro:
Jorge Zahar Ed., 2008.
_________. (1969). “Resumo do seminário O ato psicanalítico” In: Outros escritos.
Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.
_________. (1974). “La Troisième (7e Congrès de l’École Freudienne de Paris), Roma,
01/11/1974” In: Opção lacaniana n. 62. São Paulo: EBP, 2001.
SOLER, C. (2000-2001). Declinações da angústia. São Paulo: Ed. Escuta, 2012.
Publicado
2016-06-23
Como Citar
Fingermann, D. (2016). Pânico e fobia: Enlace e desenlace da angústia Comunicação de uma pesquisa em curso. Revista De Psicanálise Stylus, (32), pp. 89-98. https://doi.org/10.31683/stylus.vi32.624
Seção
ESTRUTURAS CLÍNICAS: LAÇOS E DESENLACES